Francesca Schiavone decide título do Rio Open contra jovem Shelby Rogers

20.Fev.2016

A final da chave feminina do Rio Open apresentado pela Claro terá o duelo entre a campeã de Roland Garros-2010, a italiana Francesca Schiavone, e a jovem norte-americana Shelby Rogers, neste domingo, às 15h30, na quadra Guga Kuerten. O evento no Rio é o maior torneio de tênis da América do Sul, com disputas simultâneas de um ATP World 500 e de um WTA International.

Para alcançar sua primeira decisão depois de três anos - a última vez foi quando conquistou o título de Marrakesh-2013 -, Schiavone venceu neste sábado a croata Petra Martic por 2 sets a 0, com um duplo 6/3. Já Rogers eliminou a romena Sorana Cirstea, ex-número 21 do mundo, por um duplo 6/4.

 Foi a segunda vitória de Schiavone sobre Martic, sendo que o primeiro duelo aconteceu justamente no caminho para conquistar o título em Marrakesh. "Estou muito feliz por alcançar a final, fazia tempo que não conseguia um resultado tão bom na carreira", disse a ex-número 4 do mundo e atual 132º, dona de seis títulos. "Independentemente do resultado da final, já estou muito feliz pela campanha aqui. Sabia das difíceis condições, e fiz uma preparação especial para jogar no Rio", disse.

É a segunda vez que Schiavone vem jogar no Rio. A primeira foi em 2014, quando foi eliminada logo na primeira rodada. Muito simpática e feliz pela semana que está tendo na cidade, disse que se sente em casa no Brasil. "O país é incrível, a comida maravilhosa. Gosto de açaí, frutas, amo picanha, já experimentei várias coisas. Acho que já comi uma vaca inteira desde que cheguei", brincou a tenista de 35 anos, que pensa em comprar um imóvel no país no futuro. "Fui a Florianópolis, conheci lugares próximos de lá, como Itapema. Tenho vontade de comprar algo para poder visitar o Brasil, passar um, dois meses por aqui".

Se conquistar o título do Rio Open, Schiavone voltará ao top 100. Será a primeira vez que a experiente jogadora enfrentará Rogers, atual 131º do mundo. A tenista de 23 anos, responsável pela eliminação da brasileira Paula Gonçalves nas quartas de final, tem como melhor resultado na carreira o vice-campeonato em Bad Gastein, em 2014. "Estou numa semana incrível, fiz bons jogos, em alguns deles passei por momentos difíceis e isso só me traz mais confiança para a final. Enfrentar uma jogadora com a experiência de Schiavone na final será incrível, não tenho nada a perder, quero aproveitar o momento", disse Rogers.


Compartilhe