Paula Gonçalves vence israelense e conquista sua primeira vitória em um torneio WTA

16.Fev.2016

A brasileira Paula Gonçalves conquistou sua primeira vitória em um torneio WTA nesta terça-feira, no Rio Open apresentado pela Claro. Depois de passar pelo qualifying, a tenista de Campinas, treinada pelo ex-jogador Carlos Alberto Kirmayr, derrotou a israelense Julia Glusko, 125º do mundo, por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/1.

Foi a terceira vitória de Paula sobre Glushko em quatro jogos. A brasileira de 25 anos começou perdendo a partida, mas depois que virou para 3 games a 2, manteve o embalo e não deu chances para a israelense.

"Estou tendo uma semana especial na cidade maravilhosa. Passei pelo qualifying, venci hoje, estou na segunda rodada nas duplas. Todos têm seus bons momentos e acho que eu estou vivendo o meu agora. Amadureci, estou com outra cabeça, desde o primeiro jogo entrei muito tranquila na quadra", disse a tenista, que tem se dedicado também às duplas, sendo a melhor brasileira ranqueada.

Paula terá uma partida dura pela segunda rodada. Ela enfrenta a cabeça de chave número 2, a sueca Johanna Larsson, que venceu a espanhola Lourdes Domínguez Lino por 7/5 e 6/4. "Não conheço muito como ela joga, mas meu técnico já deve estar pegando todas as informações para eu saber como enfrentá-la".

Outros dois brasileiros entraram em quadra, mas não tiveram a mesma sorte de Paula. Teliana Pereira, cabeça de chave número 1, perdeu para a croata Petra Martic por 6/3 e 7/5, e João Souza, o Feijão, foi eliminado pelo argentino Diego Schwartzman por 6/3 e 6/2.

"Não acho que joguei mal, foi um dos meus melhores jogos do ano, mas minha adversária fez uma boa partida, sacou melhor. Estou triste porque gosto muito de jogar aqui e esperava outro resultado", disse a atual 43ª do mundo.

Quadrifinalista no Rio Open do ano passado, Feijão lamentou o resultado. "Há um ano estava aqui, vencendo, vivendo uma outra fase. Não me senti bem na quadra hoje. Todos os jogadores passam por momentos ruins. Quando as coisas não vão bem, a confiança cai. Você começa a pensar em muitas coisas durante os jogos. Já quando estamos bem, tudo flui naturalmente, é muito mais fácil jogar. No meu momento atual, uma dificuldade pequena fica gigante", contou o número 134º do ranking. "Estou fazendo tudo que está a meu alcance para melhorar, estou buscando soluções, tenho certeza de que os bons resultados vão voltar", disse o jogador, que já foi o 69º do mundo.

Compartilhe