Rio Open reúne alunos dos projetos sociais para comemorar Dia das Crianças no Parque Olímpico

08.Out.2018

Na semana em que se comemora o Dia das Crianças, o Rio Open, maior torneio de tênis da América do Sul, vai reunir os alunos de seu projeto social, o Núcleo Esportivo Rio Open (NERO) , em parceria com a AGLO, e dos outros cinco projetos sociais que apoia para comemorar a data. Ao todo, 100 crianças são esperadas na próxima terça-feira, dia 9, às 9h30, nas instalações de tênis do Parque Olímpico da Barra.

Participam também do evento, 14 alunos dos projetos e do Núcleo, entre 9 e 18 anos, que irão disputar a Copa Guga Kuerten, em Florianópolis. Todos os custos da viagem são por conta do Rio Open, como parte da premiação do Torneio Winners. As crianças, que participam da competição, também recebem apoio da Confederação Brasileira de Tênis com suas anuidades.

Desde sua primeira edição, a organização do evento apoia iniciativas que usam o tênis como ferramenta de desenvolvimento humano e inclusão social. Os cinco projetos apoiados pelo Rio Open são Instituto Futuro Bom, Tênis na Lagoa, Tênis Solidário, Escolinha de Tênis Fabiano de Paula e Arremessar para o Futuro.

A próxima edição do maior torneio de tênis da América do Sul acontecerá de 18 a 24 de fevereiro de 2019, no Jockey Club Brasileiro.

 

Perfil de alguns dos participantes da Semana Guga Kuerten:

 

Valter Davi Marques Albuquerque, 12 anos – Escolinha Fabiano de Paula

Morador da Rocinha, Valter sempre gostou de assistir aos jogos de tênis na TV. E foi na Escola de Tênis de Fabiano de Paula, fundada em sua comunidade, que conheceu o esporte. Seus pais, que trabalham como garçom e cozinheira, sempre o incentivaram. No Torneio Winners deste ano, foi o campeão na categoria 12 anos, a mesma em que ele havia ficado em segundo lugar em 2017.

Apesar da pouca idade, Valtinho é muito convicto de seus sonhos. Como meta de virar profissional, o pequeno esportista se espelha em Novak Djokovic, quem conheceu pessoalmente há bem pouco tempo.

Gabriel dos Santos de Lima , 16 anos  - Instituto Futuro Bom

Também morador da Rocinha, Gabriel, que é fã de  Federer,  está há 1 ano no Projeto do Instituto Futuro Bom. Começou a praticar o esporte com 14 anos e sonha em ser professor de tênis.  Está animado para a viagem e espera voltar mais experiente.

Carlos Eduardo do Nascimento Tavares Oliveira, 8 anos – Tênis Solidário

Fã do Nadal, Carlos Eduardo começou a praticar esportes pela natação, mas a paixão bateu mais forte pelo tênis. Há dois anos no Projeto Tênis Solidário, em Inhaúma, o pequeno carioca deseja ser um tenista profissional, mas para os próximos dias seu maior desejo é tirar uma foto ao lado do Guga, durante o torneio em Florianópolis.

Hélio Machado Sampaio Neto, 15 anos – Tênis na Lagoa

Hélio treina há pouco mais de um ano no Projeto Tênis na Lagoa, tempo suficiente para já ter transformado a vida de sua família. O jovem morava e treinava no município de Maricá, mas a família ficou sem condições de arcar com os custos das aulas, já que além de Hélio,  sua irmã também pratica o esporte. Foi então que eles conheceram o projeto do professor Alexandre.

O amor pelo tênis fez com que a família se mudasse para a cidade do Rio para ficar mais perto do local de treino, conseguiram bolsa numa escola particular e, ainda assim, a mãe cruza 60 km por dia para ir trabalhar em Maricá, pois é funcionária pública nessa cidade.

 Marcus Vinicius Barbosa da Rocha, 17 anos – Arremessar para o Futuro

Quando tinha 10 anos (2011), Marcus, que mora no Anil (Jacarepaguá) foi convidado pelo tio para conhecer o tênis. Ele jogava futebol, mas não se considerava tão bom. Foi amor à primeira “jogada”. Treina todos os dias na escola NTC (Núcleo de Tênis City). No Rio Open, já participou de uma clínica oferecida pelo torneio e recebeu elogio da falecida Maria Ester Bueno, maior jogadora da história do tênis feminino no Brasil.

“Depois que ganhei minha primeira raquete, não parei mais. Evoluí tão bem, que me despertou o sonho de ser um jogador de tênis profissional. Sei que o caminho é duro, mas não existe distância quando se tem força de vontade. Vai ser uma honra participar pela primeira vez de um torneio tão importante para o Brasil e para mim também”.

 Os Projetos parceiros do Rio Open:

ARREMESSAR PARA O FUTURO

O Projeto Arremessar para o Futuro ajuda hoje 26 crianças e jovens da comunidade do Terreirão (Recreio), Curicica e Jacarepaguá. O objetivo do Arremessar é transformar o cidadão através do esporte e da educação, dando a ele a chance de treinar, de conquistar pontos no ranking brasileiro e se aperfeiçoar para uma futura bolsa de estudos em uma universidade fora do país. O Arremessar conta hoje com o apoio do Instituto Kinder do Brasil e de uma etapa do Campeonato Brasileiro Infanto Juvenil realizado nas quadras da Escola de Tênis NTC (Núcleo de Tênis City) no Recreio dos Bandeirantes, que geram recursos para as bolsas.

 

ESCOLINHA DE TÊNIS FABIANO DE PAULA

O projeto de iniciação esportiva, fruto da parceria entre a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude (Seelje) com o atleta brasileiro Fabiano de Paula, foi inaugurado em fevereiro de 2015 e funciona na quadra de saibro localizada na Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul do Rio. Atualmente, a escolinha conta com cerca de 200 alunos que praticam o tênis diariamente. Fabiano, que é morador da Rocinha, inaugurou a quadra em novembro de 2012 junto com o sérvio Novak Djokovic. Ela é destinada a crianças e adolescentes carentes da comunidade entre 5 e 17 anos e os meninos e meninas de destaque ganham oportunidades de treinamento na academia Tennis Route, no Recreio dos Bandeirantes, também no Rio de Janeiro.

 

INSTITUTO FUTURO BOM

O Instituto Futuro Bom atenderá 260 crianças no ano de 2017 por meio dos projetos Tênis na Escola, Tênis para Todos e Dentro e Fora da Quadra, que utilizam o esporte como ferramenta de desenvolvimento humano, esportivo e educacional. Segue o modelo universitário americano, onde cada criança é acompanhada de perto em relação ao seu rendimento escolar, participação nos treinos e cursos do instituto, para a permanência nos projetos.

 

TÊNIS NA LAGOA

O Projeto Tênis na Lagoa é uma iniciativa particular do professor Alexandre Borges e existe desde 2003, tendo atendido até hoje mais de 2.500 crianças. A cada ano, 150 crianças entre 5 e 17 anos de comunidades como Cruzada São Sebastião, Vidigal, Rocinha, Parque da Cidade, Pavão-Pavãozinho, Cantagalo, Tabajaras e Rio das Pedras participam das aulas que acontecem nas quadras públicas localizadas às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul. Aqueles que se destacam no projeto fazem parte de uma equipe de competição que viaja por todo o país. Muito além de forehands e backhands, o objetivo do Projeto Tênis na Lagoa é promover o desenvolvimento humano, a inclusão social e a integração e educação de jovens e suas famílias por meio da prática do tênis, promovendo melhoria da qualidade de vida.

 

TÊNIS SOLIDÁRIO

Localizado no bairro de Pilares, na Zona Norte do Rio, o projeto foi idealizado pelo professor de Educação Física Artur Ricardo e existe desde 2011. Cerca de 40 jovens entre 7 e 17 anos de idade, que estudam em escola pública, têm aulas gratuitas de tênis. A quadra — adaptada do futsal para o tênis — fica embaixo do viaduto de Pilares. Além de aprender fundamentos do esporte, a criançada recebe noções básicas de etiqueta, inglês e português. Os jovens atletas recebem também uniformes, material esportivo e lanches de forma gratuita.

 

Por meio da parceria com os projetos, o Rio Open já disponibiliza:

·         bolas usadas durante o torneio para aproveitamento nos treinos das crianças;

·         material para treinamento;

·         ingressos para os alunos dos projetos assistirem aos jogos do Rio Open;

·         oportunidade para cerca de 60 crianças atuarem como "boleiros" do torneio/ano;

·         clínicas de tênis para jovens com a presença de jogadores profissionais.

Compartilhe