David Ferrer animado para a disputa do Rio Open

14.Fev.2015

Com um título já conquistado em 2015, em Doha, no Catar, o espanhol David Ferrer, atual nono colocado do ranking mundial, chegou otimista para disputar o Rio Open apresentado pela Claro. 

"Estou contente com o início da minha temporada, foi muito bom começar vencendo um torneio. Também me encontro muito bem fisicamente", disse o espanhol de 32 anos, que já foi o terceiro melhor do mundo, em 2013, e soma 22 títulos na carreira.

Assim como seu compatriota Rafael Nadal, Ferrer está usando os últimos dias antes da estreia para se adaptar ao forte calor do Rio de Janeiro. "É muitíssimo calor, está difícil de treinar. Estou tentando me acostumar aos poucos, a umidade aqui é alta e fica ainda mais complicado do que na Austrália", explicou, comparando com as condições do primeiro Grand Slam da temporada, em Melbourne, conhecido pelas temperaturas extremas. 

Na primeira edição do ATP 500 do Rio de Janeiro, no ano passado, o espanhol alcançou a semifinal. Perguntado sobre onde pretende chegar neste ano, desconversou. "É bom disputar um torneio na América do Sul, o público daqui torce muito, como se estivesse em jogos de futebol, então espero corresponder e ir bem. Porém, prefiro primeiro pensar na primeira rodada".


Italiana Sara Errani não se considera favorita ao título da chave feminina

Atual 13ª do ranking mundial de simples e nº 1 de duplas, a italiana Sara Errani evitou falar como principal favorita ao título da etapa do WTA International, torneio de premiação de U$ 250 mil. Dona de sete títulos de simples na carreira e 25 de duplas, sendo cinco destes de Grand Slam, a tenista de 27 anos, que já foi a 5ª melhor em 2013, disputará pela primeira vez o Rio Open.

"Prefiro não pensar que sou a favorita ao título, gosto de me concentrar para os jogos, pensando em um deles de cada vez. Além disso, existem outras jogadoras muito boas no torneio", disse a cabeça de chave número 1.

É a primeira vez que Errani vem ao Brasil, então ela espera ter a chance de conhecer as belezas da cidade. "Ainda não tive tempo de ver as coisas, mas o pouco que vi me deixou encantada. Estou muito contente de disputar um torneio na América do Sul", contou a jogadora, que trocou o frio da Europa pelo forte calor do Rio. "Foi uma grande mudança, então tenho que me adaptar rápido, mas gostei das condições daqui".

Errani e sua parceira de duplas, a compatriota Roberta Vinci, decidiram não disputar a chave de duplas no Rio. "Vamos jogar em Acapulco na próxima semana e lá a quadra é rápida. Então seria complicado a adaptação do saibro para a quadra dura. Também combinamos de não jogar toda semana a chave de duplas". As duas conquistaram 22 torneios juntas, incluindo cinco Grand Slams - dois Abertos da Austrália, e uma vez Wimbledon, Roland Garros e US Open. 

Compartilhe