Fevereiro sem Rio Open não é fevereiro. Com estreia marcada para o dia 11, na plataforma NOW e narração de Glenda Kozlowski, o maior torneio de tênis da América do Sul, o Rio Open terá um documentário para chamar de seu: o Rio Open DOC., que  contará um pouco da história dos sete anos do ATP 500, relembrando os jogos emocionantes e os momentos inesquecíveis que marcaram o Rio Open, que, por conta da pandemia da COVID-19, teve a edição deste ano suspensa.

Confira o trailer:

https://www.youtube.com/watch?v=dl8P1NTwddg

“Desde o início, fomos sentindo que  o material gerado durante a história do Rio Open mereceria uma celebração. Coincidiu de ficar pronto em um momento desafiador e de dificuldade pra todo mundo.  O Rio Open Doc. é uma mensagem de superação, de crença na vitória, de grandes viradas que o esporte proporciona. Que as pessoas encontrem inspiração e diversão com a memória de um evento que continuará trazendo esta mensagem”, diz Marcia Casz, diretora do Rio Open.

O documentário contará a vitoriosa trajetória do torneio que já atraiu grandes nomes do tênis mundial e viu Rafael Nadal, David Ferrer, Pablo Cuevas, Dominic Thiem, Diego Schwartzman, Laslo Djere e Cristian Garin levantarem o cobiçado troféu de campeão. Nas sete edições, o público também pode ver outros grandes destaques do esporte em ação, como Kei Nishikori, Jo-Wilfried Tsonga, John Isner, Marin Cilic, Gael Monfils e Fabio Fognini, além do surgimento de novas estrelas que impactaram o circuito, como Felix Auger-Aliassime, Carlos Alcaraz, Casper Ruud, Thiago Monteiro e Thiago Wild.

O filme relembrará momentos inesquecíveis da competição, como o duelo épico entre Nadal e Pablo Andujar, a primeira vitória de Fognini sobre o Rei do Saibro, e o jogo da madrugada entre o espanhol e Cuevas. Outros momentos de muita emoção foram o triunfo de Monteiro contra Tsonga, o discurso de Djere relembrando os pais que faleceram, e a campanha revelação do fenômeno Auger-Aliassime. Mais recente, o quente jogo entre os jovens Thiago Wild e Alejandro Fokina em 2020, que quebrou o recorde de duração do torneio, também será lembrado.

O único ATP 500 da América do Sul também aproxima os fãs do melhor do tênis nacional. Os tenistas da casa, que têm poucas oportunidades de competir no país, podem desfrutar da calorosa e apaixonada torcida local. Bruno Soares, Marcelo Melo, André Sá, Marcelo Demoliner, Thomaz Bellucci, Rogerio Dutra Silva, entre outros, também competiram no Jockey e foram garantia de grandes partidas e emoções. Os maiores nomes da história do tênis brasileiro, como Gustavo Kuerten, Maria Esther Bueno, Thomaz Koch, Carlos Kirmayr e Larri Passos também brilharam nas quadras do Rio Open, recebendo homenagens por suas grandes carreiras e sendo ovacionados pelo público. 

“Vencer o Tsonga na primeira rodada do Rio Open, em 2016, foi mágico. Era a minha primeira chave principal de um ATP.  Lembro que quando o jogo terminou,me joguei no chão, como um alívio. Tudo o que passei na vida até aquele momento tinha valido a pena. Essa vitória mudou a minha carreira e a minha vida,” conta Thiago Monteiro no documentário.

“ A ida para o Rio de Janeiro em 2019 acabou se tornando uma das semanas mais importantes da minha carreira. Acabei chegando na final, a minha primeira e entrando para o top 100. Tudo isso com o apoio do público desde o 1o. jogo. Foi incrível,”  lembra o jovem Felix Auger Aliassime.

Sempre unindo o melhor do Rio de Janeiro, o Rio Open reuniu os craques do tênis e os pontos mais icônicos da cidade em todas as edições. Seja visitando o Cristo Redentor, caindo na folia na Sapucaí, entendendo as diferenças sociais na Rocinha, vendo uma partida de futebol no Maracanã ou admirando a vista no Pão de Açúcar, o tênis esteve presente em todos, celebrando a cidade maravilhosa.

Tudo isso e muito mais poderá ser visto no documentário, que também será exibido no Sportv no dia 15 de fevereiro, às 19h, horário de Brasília.

Fiquei arrepiado ao relembrar a história desses sete anos de Rio Open. Quando vi as imagens do Nadal e Ferrer me deu a sensação que foi ontem que eles estiveram no Brasil. É muito especial poder reviver os momentos marcantes, jogos emocionantes, explosão da torcida, momentos controversos e até das chuvas que fazem parte da nossa história”, comenta Luiz Carvalho, Diretor do Torneio.

O Rio Open é o primeiro ATP 500 da história da América do Sul, sendo um dos 27 torneios mais importantes do calendário mundial. Maior evento esportivo anual do Rio de Janeiro, o torneio é exibido ao vivo para 170 países, levando imagens positivas da cidade maravilhosa para o mundo. Desde a primeira edição, o Rio Open reúne, em média, 50 mil pessoas por ano, sendo 30% de fora da cidade,  gerando um impacto econômico de mais de R$100M no Estado do Rio.  Após o adiamento da edição de 2021, o torneio está trabalhando com a ATP para encontrar uma nova data que permita a realização da oitava edição ainda neste ano. Caso contrário, o evento retornará em 2022.

Share this post on: